Dicas de Viagem

  • Documentos para embarque:

    Documentos necessários:

    Para garantir a tranquilidade e conforto de sua viagem, lembre-se de organizar a documentação necessária antes do embarque. Os documentos devem estar em boas condições para que a identificação por foto seja possível. No caso de viagens internacionais não são aceitas cópias autenticadas, somente o documento original e dentro da validade.
    Há orientações específicas para voos nacionais e internacionais. Leia as informações com atenção e boa viagem!
    Voos Nacionais

    Tenha em mãos um dos documentos abaixo:

    • Carteira de Identidade;
    • Passaporte Nacional;
    • Carteira Nacional de Habilitação (modelo com fotografia);
    • Carteiras Profissionais emitidas pelos Conselhos Nacionais (modelos com fotografia);
    • Carteira de Trabalho.

    São aceitos cartões de identidade expedidos pelo poder judiciário ou legislativo, no nível federal ou estadual, e também cartões de identidade expedidos pelo ministério ou órgão subordinado à Presidência da República, incluindo o Ministério da Defesa e os Comandos da Aeronáutica, da Marinha e do Exército.
    Para os voos nacionais, todos estes documentos são aceitos independentemente de suas validades e podem ser apresentados em seu formato original ou cópia autenticada.
    Atenção!
    • Se o seu documento foi furtado, roubado ou extraviado você pode utilizar o Boletim de Ocorrência (B.O.), desde que tenha sido emitido a menos de 60 (sessenta) dias.
    • O protocolo de pedido da Cédula de Identidade de Estrangeiro (CIE) – RNE expedido pelo Departamento de Polícia Federal pode ser aceito em substituição ao documento original pelo período máximo de 180 (cento e oitenta) dias contados da data de sua expedição.

    Voos internacionais
    Para embarcar em alguns voos internacionais, é necessário ter passaporte (se o destino for os Estados Unidos, por exemplo).

    Mas, se o país de destino é membro do Mercosul ou tem acordo de viagem com o Brasil (Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile, Venezuela e Bolívia), os documentos abaixo também podem ser utilizados:
    • Carteira de Identidade (RG)
    Atenção: o documento deve ter menos de dez anos de emissão.
    • Registro de Identidade Civil (RIC)
    • Cédula de Identidade de Estrangeiro expedida pela Polícia Federal (RNE)

    País de emissão Documentos aceitos
    Argentina * Documento Nacional de Identidade
    * Passaporte
    Brasil * Registro de Identidade Civil (RIC)
    * Cédula de Identidade expedida pela Secretaria Pública de uma das Unidades da Federação com validade nacional
    * Cédula de Identidade de Estrangeiro expedida pela Polícia Federal (RNE)
    * Passaporte
    Paraguai * Cédula de Identidade
    * Passaporte
    Uruguai * Cédula de Identidade
    * Passaporte
    Bolívia * Cédula de Identidade
    * Cédula de Extranjeros
    * Passaporte
    Chile * Cédula de Identidade
    * Passaporte
    Venezuela * Cédula de Identidade
    * Passaporte


    Para os voos internacionais, todos estes documentos devem ser apresentados em suas vias originais e devem estar dentro do prazo da validade.
    Atenção!

    Alguns países que têm o passaporte como documento obrigatório para estrangeiros exigem também visto de entrada para viajantes brasileiros.
    Se você vai visitar algum dos países abaixo, informe-se para saber se há necessidade de visto de entrada no país:

    País de destino Passaporte válido Exigência de visto Bilhete de retorno ou saída
    Aruba Por todo o período de permanência. Visto requerido, exceto para uma estadia máxima de 30 dias. Exigido
    Barbados Por todo o período de permanência. Visto requerido, exceto para uma estadia máxima de 6 meses. Recomendado
    Curaçao Por todo o período de permanência. Visto requerido, exceto para uma estadia máxima de 3 meses. Recomendado
    Panamá Por no mínimo 3 meses após a data de chegada ao país. Visto requerido, exceto para uma estadia máxima de 180 dias para viagens a turismo. Recomendado
    República Dominicana Na data de chegada ao país. Visto requerido, exceto para brasileiros que podem obter um Cartão de Turista na chegada para um estadia máxima de 30 dias. Este Cartão de Turista tem uma taxa* de 10 dólares americanos. Recomendado
    Estados Unidos Com vencimento em até 6 meses da data da viagem. Visto requerido Exigido comprovar que tem bilhete de retorno, mesmo que seja de outra companhia


    ATENÇÃO:
    OS DOCUMENTOS ABAIXO, ORIGINAIS OU QUAISQUER CÓPIAS, NÃO SÃO ACEITOS PARA EMBARQUES INTERNACIONAIS:
    CARTEIRA NACIONAL DE HABILITAÇÃO (CNH)
    CARTEIRAS DE IDENTIDADE EXPEDIDAS PELO MINISTÉRIO DA DEFESA, COMANDOS DA MARINHA, AERONÁUTICA E EXÉRCITO
    CARTEIRA DE TRABALHO
    CARTEIRA DE IDENTIDADE EMITIDA POR CONSELHO OU FEDERAÇÃO DE CATEGORIA PROFISSIONAL (Ex: Carteira da Ordem dos Advogados do Brasil)
    LICENÇAS EMITIDAS PELA ANAC
    BOLETINS DE OCORRÊNCIA (B.O.)
    CERTIDÕES DE NASCIMENTO

  • Vacina:

    FEBRE AMARELA

    A febre amarela (FA) é uma doença muito grave e representa um risco importante à saúde das pessoas. A estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS) é de 200.000 casos e 30.000 óbitos anuais por essa doença. A transmissão ocorre quando uma pessoa é picada por um mosquito (vetor)que esteja infectado pelo vírus da febre amarela.

    Muitas áreas nas Américas, África e Ásia são suscetíveis à introdução e disseminação da FA: a ocorrência de dengue e chikunguya (transmitidos pelo mesmo vetor) nessas regiões, demonstra que existe o risco inclusive de febre amarela urbana. No Brasil, a forma urbana foi erradicada em 1942, mas existe o risco potencial de retorno em cidades onde existe o mosquito da dengue, reintroduzido no país na década de 70, sendo também possível vetor do vírus da febre amarela.

    De acordo com estimativas do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, os riscos de doença e óbito por FA em viajantes não vacinados que permanecem em áreas endêmicas por período de duas semanas são, respectivamente, de 50/100.000 e 10/100.000 na África, e 5/100.000 e 1/100.000 na América do sul, uma incidência cerca de 10 vezes menor. Esse é um cálculo grosseiro, podendo não refletir o risco real já que muitos fatores podem interferir, tais como: estado imunológico do viajante, época do ano e concentração do vetor na região, adoção pelo viajante de medidas preventivas para picadas de mosquitos, exposição em ambientes externos dentre outros.

    Os países endêmicos e áreas de risco podem ser acessados em:
    http://wwwnc.cdc.gov/travel/yellowbook/2010/chapter-2/yellow-fever.aspx.

    Prevenção
    A vacina contra febre amarela é a medida mais importante para prevenção e controle da doença. Apresenta eficácia acima de 95%, induzindo a formação de anticorpos protetores após sete a dez dias da aplicação. É válida por 10 anos.

    Deve-se vacinar toda população (com idade igual ou superior a nove meses de vida) que reside ou viaja para áreas de risco da doença, dentro ou fora do Brasil. É obrigatório também, a vacinação de viajantes com destino à países que fazem exigência do Certificado Internacional de Vacinação e Prevenção (CIVP)

    Mapa de áreas com e sem recomendação da vacina contra FA no Brasil pode ser acessado no site do Ministério da Saúde Clicando Aqui

    O documento válido internacionalmente como comprovante de vacinação contra febre amarela (CIVP) pode ser adquirido em centros de vacinação públicos e privados, assim como na ANVISA, nos aeroportos. Consultar esses locais no site da ANVISA: www.anvisa.gov.br

    Atenção às normas da ANVISA para emissão do CIVP !!!

    Maior de idade ( ≥ 18 anos)

    * CIVP será emitido somente na presença do indivíduo vacinado e a assinatura obrigatoriamente deve ser feita pela própria pessoa, portando documento original com foto ou xerox autenticada do mesmo
    * Não será entregue o CIVP a portadores, conforme determinação da ANVISA.

    Menores de 18 anos – A emissão do CIVP poderá ser feita sem a presença do menor de idade contanto que o responsável legal esteja presente portando:
    1.Seu documento de identificação, original ou xerox autenticado, com foto e em boas condições .
    2.Documento de identificação do menor, original ou xerox autenticado, em boas condições .
    * Aconselha-se que a assinatura do CIVP seja igual à do passaporte (evitando possíveis complicações no país de destino, principalmente Austrália! )
    * Não será entregue o CIVP a portadores que não os responsáveis legais pelo menor, conforme determinação da ANVISA

    OBS1- A vacina contra febre amarela pode ser feita gratuitamente nos postos públicos ou em serviços privados desde que sejam credenciados pela ANVISA para aplicação da vacina contra febre amarela. Verificar no site a listagem desses locais : www.anvisa.gov.br

    OBS2- Existem situações de precaução e contraindicação ao uso da vacina febre amarela. É fundamental que a indicação da vacinação seja feita pelo médico responsável pelo viajante. As operadoras de turismo devem ter a obrigação de INFORMAR seus viajantes sobre destinos de risco para febre amarela, assim como informar sobre exigências governamentais para entrada em alguns países que exigem o CIVP ao viajante brasileiro, por serem provenientes de país endêmico

    Dra. Mônica Levi
    Médica especializada em Medicina do Viajante

  • Bagagens:

    Ao preparar a sua mala para a viagem de avião, é importante que a sua bagagem cumpra determinadas condições definidas individualmente por cada companhia aérea, tais como limite de volume e peso, e não contenha na mala objetos proibidos no transporte aéreo.
    - Antes do voo, leia o regulamento da companhia aérea com a qual está viajando. Cada transportadora possui um regulamento interno relativo ao peso e volume de bagagem de mão e registrada.
    - Nunca carregue na bagagem de mão (dentro da cabine) itens proibidos para transporte a bordo do avião. Existe uma lista de itens que não podem ser transportados na bagagem de mão, mas que podem ser acondicionados na bagagem despachada.
    - verifique a lista completa de itens que não são permitidos para transporte aéreo.
    - para evitar danos às bagagens durante o transporte, tenha cuidados ao fechar a mala, bolsa ou mochila e envolva-a em uma embalagem plástica.
    - proteja objetos delicados e frágeis, embrulhe-os em um material de tecido macio ou papel.
    - proteja bordas pontiagudas ou perigosas da bagagem (por exemplo, a armação interna/externa de uma mochila).
    - marque todas as bagagens despachadas com etiquetas com o nome, endereço completo e telefone de contato,
    - retire da sua bagagem todas as etiquetas que identificaram a sua mala em viagens aéreas anteriores. Ao deixá-las, é possível que a sua mala seja despachada para outro aeroporto.
    - pese a sua bagagem antes de levá-la ao aeroporto, para evitar o pagamento de taxas por excesso de bagagem.
    - carregue bijuterias, pequenos equipamentos eletrônicos, dinheiro, chaves, medicamentos, documentos e outros objetos de valor sempre na bagagem de mão.

    ATENÇÃO: o peso máximo permitido para bagagem despachada é, geralmente, de 23 kg para trechos nacionais e 32 kg para trechos internacionais.

    A bagagem de mão é a bagagem transportada pelo passageiro a bordo do avião. As companhias aéreas definem rigidamente a quantidade, as dimensões e o peso da mesma. É sempre indicado consultar o site da companhia aérea com a qual irá viajar, para evitar surpresas.
    Recomendações
    - 55 x 40 x 20 cm é o limite das dimensões permitidas pela maioria das linhas aéreas.
    - 10 kg é o limite de peso permitido pela maioria das companhias de baixo custo e companhias aéreas regulares.
    - 1 peça por pessoa é, geralmente, a quantidade permitida de bagagem de mão.
    Na maioria das companhias aéreas de baixo custo, nos casos de viagens de pessoas com bebês, não se permite o transporte de bagagem de mão adicional. Nas companhias aéreas regulares, algumas transportadoras aumentam o limite de quantidade e peso da bagagem de mão na classe executiva e na primeira classe.

    Atenção!
    - líquidos (cosméticos, bebidas), na bagagem de mão podem ser transportados em recipientes de plástico com o volume máximo de 100 ml. Todos os recipientes devem caber num saco de plástico transparente com capacidade de 1 litro. Dos limites descritos, se aplicam duas exceções: transporte de alimentos lácteos para bebês e medicamentos necessários durante o voo.
    - algumas companhias multam seus passageiros por ultrapassarem os limites de dimensões da bagagem de mão ou peso. Por isso, é preciso seguir exatamente as determinações.
    - se a sua bagagem de mão ultrapassar o limite de dimensões ou de peso permitido, pode ser despachada como bagagem registrada dentro dos limites concedidos.

    Objetos adicionais na bagagem de mão
    Muitas companhias aéreas permitem o transporte de objetos adicionais, que podem ser levados a bordo do avião, junto com a bagagem de mão.
    Estes são:
    - bolsa com notebook (eventualmente contendo o carregador e o mouse).
    - máquina fotográfica (à parte, numa bolsa com o equipamento fotográfico, ou na bolsa com a bagagem de mão).
    - outros aparelhos eletrônicos pequenos (telefone, mp3, tablet).
    - guarda-chuva, sobretudo.
    - materiais de leitura.
    - bolsas femininas.

  • Alfândega:

    Todo viajante que ingressa no Brasil, ou dele sai, com recursos em espécie, em moeda nacional ou estrangeira, em montante superior a R$ 10.000,00, é obrigado a apresentar aDeclaração Eletrônica de Porte de Valores (e-DPV).

    No seu retorno ao Brasil, você pode trazer mercadorias, sem o pagamento de tributos, desde que estejam incluídas no conceito de bagagem, não permitam presumir importação com fins comerciais ou industriais e respeitem simultaneamente o limite de valor global e o limite quantitativo.
    O limite de valor global corresponde a:
    a) US$ 500,00 (quinhentos dólares dos Estados Unidos) ou o equivalente em outra moeda, quando o viajante ingressar no País por via aérea ou marítima; e
    b) US$ 300,00 (trezentos dólares dos Estados Unidos) ou o equivalente em outra moeda, quando o viajante ingressar no País por via terrestre, fluvial ou lacustre.

    • O limite quantitativo corresponde a:

    Na via aérea ou marítima:
    a) bebidas alcoólicas: 12 litros, no total;
    b) cigarros: 10 maços, no total, contendo, cada um, 20 unidades;
    c) charutos ou cigarrilhas: 25 unidades, no total;
    d) fumo: 250 gramas, no total;
    e) bens não relacionados nos itens “a” a “d” (souvenirs e pequenos presentes), de valor unitário inferior a US$ 10,00: 20 unidades, no total, desde que não haja mais do que 10 unidades idênticas ; e
    f) bens não relacionados nos itens “a” a “e”: 20 unidades, no total, desde que não haja mais do que 3 unidades idênticas.

    Na via terrestre
    a) bebidas alcoólicas: 12 litros, no total;
    b) cigarros: 10 maços, no total, contendo, cada um, 20 unidades;
    c) charutos ou cigarrilhas: 25 unidades, no total;
    d) fumo: 250 gramas, no total;
    e) bens não relacionados nos itens “a” a “d” (souvenirs e pequenos presentes), de valor unitário inferior a US$ 5,00: 20 unidades, no total, desde que não haja mais do que 10 unidades idênticas; e
    f) bens não relacionados nos itens“a” a “e”: 10 unidades, no total, desde que não haja mais do que 3 unidades idênticas.

    • Além das isenções a que têm direito todos os viajantes em geral, você pode ter direito a isenções concedidas a viajantes em situações especiais . Verifique se é o seu caso.

    • Pergunte a um funcionário da aduana brasileira se você tiver dúvidas sobre as isenções de tributos a que você tem direito sobre os bens trazidos do exterior.

    • Observe os limites e condições que lhe permitam utilizar os regimes de isenção de tributos ou de tributação especial sobre a sua bagagem. Evite ter que utilizar o regime de tributação comum.

    • Os bens sujeitos ao pagamento de tributos ou aqueles para os quais se deseje comprovar a regular entrada no País devem ser apresentados à fiscalização aduaneira localizada nos pontos de fronteira, nos portos e nos aeroportos, no momento da chegada ao Brasil.

    • Embale os produtos a serem declarados de forma que eles estejam acessíveis para a inspeção aduaneira. Isto ajuda a agilizar o desembaraço de sua bagagem.

    • Providencie medicamentos suficientes para a sua viagem. Verifique com a representação diplomática do(s) país(es) que você pretende visitar para se assegurar que seus medicamentos são legais nesses locais. Obtenha, com o seu médico, uma receita atestando que o medicamento é para você e a dosagem recomendada. Mantenha a embalagem original do medicamento.

    • Saiba que penalidades por posse de drogas podem resultar em multas pesadas, prisão ou mesmo pena de morte em alguns países estrangeiros.

    • O viajante que se destinar a qualquer país pertencente à União Européia e estiver portando dinheiro ou meios de pagamento ao portador em montante igual ou superior a EUR 10.000,00 (dez mil euros), deverá dirigir-se à Alfândega do país de destino para declarar, em formulário próprio, esses valores.

    • A bagagem desacompanhada recebe um tratamento tributário diferente do aplicado a bagagem acompanhada, não fazendo jus, por exemplo, à cota de isenção.

    NÃO transporte objetos para outras pessoas. Se você o fizer e for uma mercadoria proibida ou restrita, você será o responsável.

    NÃO acredite que você "não é o tipo". Os funcionários aduaneiros podem selecionar pessoas e bagagens para inspeção detalhada por diversas razões. A seleção não deve ser vista como um reflexo da integridade, do caráter ou da aparência do viajante.

    NÃO forneça informações falsas para a Aduana. As penalidades por falsas informações (como faturas forjadas) são severas e podem resultar em apreensão das mercadorias e em processo criminal contra os responsáveis.

    NÃO traga para o Brasil mercadorias pirateadas ou contrafeitas. A pirataria de direitos autorais e a contrafação de marcas são ilegais. As mercadorias contrafeitas ou pirateadas importadas para o Brasil estão sujeitas a apreensão pela Aduana e os seus portadores podem ser processados civil e criminalmente.

    NÃO traga bens e mercadorias com finalidade comercial. Se trouxer, declare-os na Declaração de Bagagem Acompanhada e informe, antes de qualquer ação da fiscalização aduaneira , que eles serão submetidos a despacho comum de importação , identificando a pessoa jurídica que o promoverá. Caso contrário, você poderá perder a mercadoria.

    NÃO é permitida a importação de mercadorias para fins comerciais ou industriais por pessoas físicas.

  • Habilitação internacional:

    Permissão Internacional para Dirigir

    O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) lançou em abril de 2006 o novo modelo de Permissão Internacional para Dirigir (PID). O modelo segue o padrão estabelecido na Convenção de Viena, firmada em 08 de novembro de 1968 e promulgada pelo Decreto nº 86.714, de 10 de dezembro de 1981. A PID poderá ser utilizada em mais de cem países (veja a lista abaixo), porém não substitui a CNH no território nacional. Antes da padronização da Permissão Internacional para Dirigir ficava a cargo dos órgãos e entidades executivos de trânsito a elaboração e expedição da permissão.

    Com a PID o Denatran padroniza o modelo do documento. As informações dispostas na PID estarão descritas na língua portuguesa e nas preconizadas na Convenção de Viena. Para obter a permissão o condutor deverá possuir a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), devendo esta estar vigente.

    O prazo de validade da PID, a categoria da habilitação e as restrições médicas são os mesmos referentes a CNH e na hipótese de ocorrer qualquer alteração no cadastro do condutor a mesma deverá ser incluída no respectivo documento internacional de habilitação.

    A Permissão Internacional para Dirigir não será emitida para o condutor habilitado somente com a Autorização para Conduzir Ciclomotor - ACC. Desde abril de 2006, o novo modelo pode ser retirado nos órgãos e entidades executivos de trânsito dos Estados e do Distrito Federal e a cargo deles ficará a responsabilidade de determinar o valor da expedição do documento.

    Países onde é aceita a Permissão Internacional para Dirigir (PID):

    África do Sul, Albânia, Alemanha, Anguila (Grã Bretanha), Angola, Argélia, Argentina, Arquipélago de San Andres Providência e Santa Catalina (Colômbia), Austrália, Áustria, Azerbaidjão, Bahamas, Barein, Bielo-Rússia, Bélgica, Bermudas, Bolívia, Bósnia-Herzegóvina, Bulgária, Cabo Verde, Canadá, Cazaquistão, Ceuta e Melilla (Espanha), Chile, Cingapura, Colômbia, Congo, Coréia do Sul, Costa do Marfim, Costa Rica, Croácia, Cuba, Dinamarca, El Salvador, Equador, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estados Unidos, Estônia, Federação Russa, Filipinas, Finlândia, França, Gabão, Gana, Geórgia, Gilbratar (Colônia da Grã Bretanha), Grécia, Groelândia (Dinamarca), Guadalupe (França), Guatemala, Guiana, Guiana Francesa (França), Guiné-Bissau, Haiti, Holanda, Honduras, Hungria, Ilha da Grã-Bretanha (Pitcairn, Cayman, Malvinas e Virgens), Ilhas da Austrália (Cocos, Cook e Norfolk), Ilhas da Finlândia (Aland), Ilhas da Coroa Britânica (Canal), Ilhas da Colômbia (Geórgia e Sandwich do Sul), Ilhas da França (Wallis e Futuna), Indonésia, Irã, Iriã Ocidental, Israel, Itália, Kuweit, Letônia, Líbia, Lituânia, Luxemburgo, Macedônia, Martinica (França), Marrocos, Mayotte (França), México, Moldávia, Mônaco, Mongólia, Montserrat (Grã Bretanha), Namíbia, Nicarágua, Níger, Niue (Nova Zelândia) Noruega, Nova Caledônia (França), Nova Zelândia, Nueva Esparta (Venezuela), Panamá, Paquistão, Paraguai, Peru, Polinésia Francesa (França), Polônia, Porto Rico, Portugal, Reino Unido (Escócia, Inglaterra, Irlanda do Norte e País de Gales), República Centro Africana, República Checa, República Dominicana, Republica Eslovaca, Reunião (França), Romênia, Saara Ocidental, Saint-Pierre e Miquelon (França), San Marino, Santa Helena (Grã Bretanha), São Tomé e Príncipe, Seichelles, Senegal, Sérvia, Suécia, Suíça, Svalbard (Noruega), Tadjiquistão, Terras Austrais e Antártica (Colônia Britânica), Território Britânico no Oceano Índico (Colônia Britânica), Timor, Toquelau (Nova Zelândia), Tunísia, Turcas e Caicos (Colônia Britânica), Turcomenistão, Ucrânia, Uruguai, Uzbequistão, Venezuela e Zimbábue.

  • Check-in e check-out nos hotéis:

    Ao chegar ao hotel, é necessário dirigir-se à recepção e apresentar todos os documentos necessários para a hospedagem no hotel (voucher e documento de identidade). Isso se chama check-in ou entrada no hotel. A recepção pode pedir ao hóspede que apresente na entrada outro documento com foto, para comparação.
    Hoje em dia, a maioria dos hotéis em grandes complexos turísticos disponibiliza o serviço de recepção 24 horas. No entanto, o check-in geralmente é possível depois das 14h, horário local. A diária do check-in se encerra às 12h e, assim que o hóspede parte, o quarto é organizado. Em pequenos estabelecimentos e pensões, a hora do check-out/saída pode variar. Portanto, aconselhamos verificar antes da viagem a melhor hora para chegar ao hotel.
    Durante a entrada, o hóspede deve ser informado sobre a duração da diária do hotel, sobre os equipamentos e as instalações que oferece, e de quais pode usufruir durante a sua estadia. Após concluir o check-in, o hóspede recebe a chave (ou cartão) do quarto.

    Documentos indispensáveis para check-in em hotel
    Para fazer o check-in/entrada em um hotel, é necessário:
    - voucher, ou simplesmente comprovante de reserva que deve ser impresso e levado com você ao check-in. O voucher é enviado por e-mail assim que o pagamento da reserva for confirmado.
    - documento de identificação com foto – passaporte, carteira de identidade, CNH ou carteira de trabalho.

    Atrasos ao chegar ao hotel

    Sempre que for possível, o hóspede deve informar o hotel sobre a sua chegada tardia ao check-in – de preferência, por telefone. Caso o hotel possua uma recepção aberta 24 horas, tal intervenção não é necessária, uma vez que o estabelecimento permite atrasos que não excedam muito o horário do check-in.

    Deve-se proceder de maneira diferente se o atraso ao check-in exceder a primeira diária do hotel, ou caso o estabelecimento não possua uma recepção 24 horas. É necessário contatar o hotel para informá-lo sobre a situação e entrar em um acordo sobre como se deve proceder.

  • Tomadas e voltagens:

    Na hora de planejar uma viagem precisamos pensar em todos os detalhes para não acabar nos esquecendo de alguma coisa que pode nos atrapalhar. Um problema comum é a diferença de padrões das tomadas e de voltagem ao redor do mundo. Cada país acaba adotando um padrão, o que pode dificultar um pouco a vida do turista.

    Para não correr o risco de ficar sem bateria no celular, notebook, tablet ou até mesmo de queimar seus equipamentos eletrônicos com uma sobrecarga na voltagem, é importante se informar a respeito destes padrões nos países por onde vai passar.

    Recomendamos que providencie um adaptador de tomada ou conversor de voltagem universal, ou um específico para o destino da sua viagem. Sugerimos ainda que os compre ainda no Brasil, pois pode ser difícil encontra-los no exterior.

    Confira a seguir os principais padrões de voltagem e modelos de tomadas:

    - Voltagem:

    América do Sul: A maioria dos países adota 220 volts. A Colômbia e o Equador são as exceções, com 120V.

    América do Norte: Os Estados Unidos, Canadá e México utilizam o mesmo padrão variável, de 110V a 127V.

    Europa: Também segue padrão unificado, de 220V a 240V.

    Oceania: As vizinhas Austrália e Nova Zelândia usam somente 230V.

    Ásia: O Japão adota 110V, enquanto China e Índia são 220V.

    África: Na África do Sul por exemplo, a voltagem é 220V.

    - Padrões de tomada:

    Argentina

    É semelhante à tomada da Oceania, mas com tamanho diferente.
    Austrália e Nova Zelândia

    Plugues com dois ou três pinos inclinados funcionam nesse caso.
    Estados Unidos, Canadá e Japão

    Os dois pinos retangulares têm espessuras distintas.

    Itália

    Os europlugs se encaixam perfeitamente nessa tomada de três pinos lineares.
    Inglaterra e Irlanda

    A tomada inglesa tem fama de ser a mais segura do mundo.

    França e Bélgica

    O pino debaixo é para aterramento.
    Europa 1 (europlug)

    Esse é o padrão na maioria dos países europeus. Há ainda outra tomada (saída schuko) de forma circular com dois pinos, que também se conectam ao europlug.

    África do Sul

    As tomadas sul-africanas são de três pontos. É possível comprar um adaptador logo no aeroporto, no supermercado ou em algum shopping.
  • Ligações internacionais:

    Com a internet ficou muito fácil se comunicar com o Brasil. Quase todos os destinos possuem cyber cafés ou internet nos hotéis. Mas, se quiser ligar, prefira fazer as ligações de telefones públicos. Ligar de hotéis é caríssimo e eles cobram taxas mesmo em ligações a cobrar.

    A opção mais econômica são os cartões telefônicos, vendidos em bancas de jornal ou lojas de conveniência. Com eles você liga para um número local, digita o código impresso no cartão e em seguida o telefone no Brasil (00 + 55 + código DDD + número do telefone).

    Utilizar o sistema Brasil Direto também é uma opção muito interessante, pois oferece assistência em português. As ligações feitas através do Brasil Direto são à cobrar.

  • Gorjetas:

    O valor de quanto dar varia de país pra país. O mestre são os Estados Unidos cujo percentual de gratificação de serviços atingem 15 a 20%. Um exagero quando comparado a países como a China, o Japão e a Coréia do Sul que não possuem o hábito de gratificar um atendimento ao menos que tenha sido muito, mas muito mesmo, especial. Abaixo seguem algumas dicas de gorjeta para cada serviço e país:

    Estados Unidos
    Mensageiro: de US$ 1 a US$2 por mala se ele levar a bagagem até o quarto. Se ele levar a bagagem da entrada do hotel ao balcão da recepção, reserve a gorjeta pelo responsável por levar as malas ao quarto. Mais gorjetas, apenas se prestar informações extras.

    Recepcionista: raramente se dá gorjetas a esse profissional. A menos que ele preste algum serviço especial encontrando soluções para um early check-in ou um late check-out.

    Camareira: deixar de US$1 a US$2 por dia com um bilhetinho de Thank You, vai alegrar o dia de quem arrumar o seu quarto.

    Concierge: esse profissional que costuma realizar reservas em restaurantes normalmente impossíveis de serem agendados ou na obtenção inesperada de ingressos para shows lotados merece gorjetas entre US$ 5 a US$ 10 por serviço realizado.

    Motoristas de carrinhos elétricos (que levam passageiros de um terminal ao outro, por exemplo): US$2 a US$3 por passageiro.

    Garçons e atendentes de restaurantes e bares: devem receber de 12 a 15% de gratificação sobre a conta.

    Táxi, limousine, shuttle (pago): recomenda-se uns 15% do valor final da corrida. Pode-se acrescentar um pouco mais se o motorista auxiliou com a bagagem, se fez paradas extras a seu pedido. Alguns serviços de limusines no exterior já incluem a gorjeta, mas é bom confirmar.
    Serviço de Shuttle gratuito (de um hotel que vem apanhar o passageiro no aeroporto, por exemplo): US$ 1 a US$2 por mala, caso o motorista auxilie quando for colocar e retirar a bagagem.

    EUROPA
    Restaurante: está incluso o serviço. Costuma-se deixar alguns euros a mais.
    Táxi: taxistas não esperam gorjetas.Mensageiro: entre 3 e 5 euros.

    ARGENTINA
    Restaurante: recebem 10%. Dificilmente eles deixam incluir no cartão, mas podem trazer troco.
    Mensageiro: 10 pesos em um hotel básico e 20 pesos em um hotel sofisticado.
    Táxi: não esperam gorjeta.

    JAPÃO
    O japonês se ofende com gorjetas.

    CHINA
    Restaurante: deixa-se 10% de gorjeta em restaurantes
    Guia turístico: US$ 10 por dia.

  • Fuso horário:

    É sempre bom saber a diferença de horário do Brasil para seu destino. Especialmente na hora de ligar para casa – evite ligar de madrugada e assustar quem ficou.

    O link abaixo mostra as diferenças de fuso em todo o mundo. Consulte de acordo com seu roteiro.

    www.horadomundo.com

  • Remédios e seguro saúde:

    É aconselhável levar os próprios medicamentos, já que é difícil comprar remédios sem receita médica no exterior. Alguns remédios não podem ser levados para outros países por terem seu uso controlado. Informe-se com antecedência, especialmente sobre os de tarja preta. Se a viagem for acompanhada de crianças, coloque na bagagem esparadrapo, band-aid e gaze, além de merthiolate. A aquisição de um seguro saúde garante assistência adequada a você e sua família em casos de emergência.

  • Ginástica a bordo:

    Há pequenos e discretos exercícios que podem aliviar aquele incômodo e mal-estar do corpo durante uma longa viagem de avião: *movimentar os pés como se estivesse acelerando o carro e levantar os calcanhares com as pontas dos pés apoiadas no chão; *sentado, pressionar com as duas mãos a parte de trás e superior da cabeça, forçando-a para baixo e mantendo o queixo próximo do peito; *alongar as costas, ainda sentado, abaixando a cabeça e o tronco e segurando as pernas. Sem soltá-las, eleve o meio das costas para cima, fazendo uma espécie de corcunda. *entrelaçar os dedos das mãos elevando os braços estendidos acima da cabeça, como se se espreguiçasse. *usar roupas leves e confortáveis e evitar o excesso de álcool, antes e durante o vôo, também pode ajudar.